Reflexões para o final do ano e o Ho'oponopono



No final do ano, são muitas as atividades que nos propomos a realizar com o objetivo de encerrarmos mais um ciclo em nossas vidas. Somos convidados a refletir sobre o que aconteceu, como a avaliação diária sugerida por Santo Agostinho. De acordo com ele, todas as noites, quando nos deitamos, devemos pensar sobre os nossos atos e nos perguntar quais foram as consequências de cada um deles para nós mesmos e para as outras pessoas envolvidas. Caso elas não tenham sido boas, devemos pensar o que poderia ser feito em uma próxima vez para que o mesmo resultado não se repita.

Acredito que a reflexão no final do ano tenha o mesmo objetivo. Entretanto, não é apenas um dia que estamos analisando, mas todos os dias do ano que se encerra.

Apesar de parecer complicado, pois não nos lembramos de tudo o que ocorreu, podemos selecionar os fatos que consideramos mais relevantes e avalia-los. Uma sugestão é seguir três perguntas propostas por Marie Forleo em seu canal no youtube. (https://www.youtube.com/user/marieforleo) para refletirmos sobre o que foi relevante para nós durante 2016.

A primeira pergunta é


Sim, vamos começar a avaliar o ano pelo o que fizemos de bom, pelo o que fizemos que nos deixou orgulhosos para que possamos também celebrar nossas conquistas. Nem sempre esse é um exercício fácil, principalmente quando enfrentamos muitas dificuldades ou momentos de dor. Mas sempre podemos encontrar algo que nos trouxe orgulho e satisfação, algo que fizemos com boas intenções e que cujo resultado fez com que nos sentíssemos bem. Recordar essas ações e registrá-las como parte da nossa avaliação do ano pode nos auxiliar a fazer escolhas para o novo ano que se aproxima, pois podemos fazer mais do que nos fez bem em 2017.

A segunda pergunta é


Lembrar os próprios erros não é algo fácil, mas necessário se queremos aprender as lições que neles estavam contidas.

E uma vez que aprendemos com esses erros, não os repetiremos no novo ano que chega.

Aqui, vale lembrarmos as palavras do mestre Jesus: “Ninguém põe remendo de pano novo em vestido velho.” (Mateus 9:16). Ou seja, de nada adianta fazermos resoluções e novos planos se levamos conosco atitudes antigas que já foram mal sucedidas. A avaliação do que passou e que não deu certo, o sofrimento causado por um erro, isso tudo precisa ser pensado e refletido para que não se repitam no ano que chega.

E, atenção! Não estamos falando do erro dos outros, o que fizeram ou deixaram de fazer conosco. O importante é avaliarmos e refletirmos sobre as únicas ações que controlamos: as nossas. Portanto, essa é uma análise que pode ser difícil (pois temos que reconhecer primeiramente que erramos para depois identificarmos como), mas que, com certeza, nos poupará de sofrimento e de arrependimentos no futuro.

Para finalizar, a terceira pergunta é:


Neste caso, vale tudo que estejamos dispostos a esquecer em relação a esse ano: tristezas, mágoas, ofensas, brigas, arrependimentos... tudo que faz com que a nossa vibração caia e que nos limite em nossa jornada.

Toda vez que penso em alguma situação ocorrida no passado que me aborrece me lembro da história da esposa de Ló que, em desobediência aos mensageiros de Deus, olhou para trás e se tornou em uma estátua de sal.

Apesar de ser uma história repleta de mensagens, gostaria de enfatizar um aspecto apenas. Acredito que olhar para situações ocorridas no passado e que nos prendam a ele (sejam elas situações boas ou ruins) nos tornamos enrijecidos e não conseguirmos mais nos movimentar em direção ao futuro que desejamos. Quando nos prendemos a situações do passado e alimentamos o que sentíamos corremos um grande risco de nos transformarmos em estátuas de sal.

É importante lembrarmos o que nos ensina o Ho’oponopono: somos todos 100% responsáveis pelo o que nos acontece, pois são nossas memórias que "agem" sobre nós mesmos e sobre a nossa realidade para que sejamos como somos e a realidade ser como ela é. Portanto, toda e qualquer mudança deve ocorrer primeiro DENTRO de nós mesmos, através da limpeza dessas memórias.

Quando limpamos nossas memórias fica mais fácil acessarmos o Eu Inspirador que há em nós e, assim, cada vez mais fácil ouvirmos a Divindade que todos nós somos.

Que 2017 seja um ano iluminado, abençoado e de muitas conquistas. E que possamos sempre agir de forma inspirada, tornando-nos, assim, 100% responsáveis pelas nossas vidas.

Muita luz!



136 visualizações

E-mail para contato: hooponopono.anjos@gmail.com